Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Receitas Tolerantes

Sou uma entusiasta da cozinha e da alimentação saudável, e cozinho com amor :)

Receitas Tolerantes

Sou uma entusiasta da cozinha e da alimentação saudável, e cozinho com amor :)

Papas de Quinoa com Tahini e Kiwi Amarelo

Adoro kiwi amarelo. É mais doce que o kiwi tradicional, e geralmente amadurece mais facilmente. Infelizmente, é muito mais caro, portanto só o compramos quando há promoções nos supermercados. Um destes dias encontrei uma caixinha a um preço aceitável no LIDl, e aproveitei :)

 

O processo é igual a outras papas que já postei aqui anteriormente. Na véspera coloquei 3 ou 4 colheres de quinoa (previamente cozida), num recipiente de vidro, juntei mais algumas colheres de sopa de aveia, 1 colher de sopa de linhaça, outra de chia, algumas sementes de girassol, 1 colher de chá de tahini e outra de xarope de ácer, uma pitada de canela e cerca de 400 ml de leite e aveia. Mexi bem, e coloquei no frigorífico durante a noite.

 

De manhã foi só juntar o kiwi. O tahini deixou a papa super cremosa, e saborosa, foi uma boa adição ;)

 

IMG_20151125_090930

  

 Ingredientes (1 pequeno almoço para 2):

4 colheres de sopa de quinoa cozida

4 colheres de sopa de aveia

1 colher de sopa de linhaça

1 colher de sopa de chia

1 colher de chá de xarope de ácer

1 colher de chá de tahini

Sementes de girassol

Canela q.b.

400 ml de leite de aveia

2 kiwis amarelos (ou verdes)

 

 

Boas receitas!

Risotto de Cogumelos com Segurelha

Este post tem o alto patrocínio do P. Foi ele que fez o risotto, com algumas sugestões e ajuda da minha parte :)

 

Não costumo comer risotto fora de casa. Para além de ser um prato que tenho a certeza absoluta que contém lactose e que depois de 5 minutos de prazer, me vai causar várias horas de sofrimento, geralmente tem demasiado queijo e manteiga para o meu gosto.

 

Portanto decidimos recriar uma versão semi-light e sem lactose. Começámos por demolhar meio saco de cogumelos shitake secos em água tépida durante 5 minutos e depois fervemo-los durante cerca de 15 para os amaciar, com algumas coisinhas boas à mistura: 1 dente de alho esmagado, oregãos secos, manjericão seco, 2 folhas de louro, alecrim, um pouco de sal e pimenta.

 

De seguida o P refogou uma caixa de cogumelos marron - devidamente limpos - com um fio de azeite e 3 dentes de alho picados, aos quais juntámos os cogumelos shitake cortados grosseiramente. Entretanto escorremos a água da cozedura, retirando as ervas, e colocámos num tacho em lume brando, para usar como calda no risotto.

 

Assim que os cogumelos estavam macios, juntámos 1 copo e meio de arroz arboreo e cerca de meio copo de vinho branco, em lume alto para o alcool evaporar. De seguida baixámos o lume e juntámos um pouco da calda, mexendo sempre até o líquido evaporar quase na totalidade. Depois juntámos mais uma concha de calda e repetimos o processo. E assim sucessivamente, até o arroz estar cozinhado e a calda ter desaparecido. É muito importante mexer sempre caso contrário o arroz pode colar, ou pior - queimar.

 

No final, retificámos os temperos (sal e pimenta), e juntámos 30g de queijo mozarella sem lactose e uma colher de chá de manteiga vegetal. É o suficiente para ficar cremoso sem se tornar enjoativo, e excessivamente calórico.

 

Antes de servir, polvilhámos umas folhas de segurelha por cima que combinaram na perfeição com o risotto. Aliás, funcionou tão bem que enquanto estávamos a comer fomos acrescentado mais segurelha ;) Experimentem e depois digam-me o que acharam :)

 

Para acompanhar, fizémos uma salada de espinafres baby, uma endívia e alguns rebentos de feijão mungo, temperados com azeite, limão, sal e um pouco de tahini.

 

IMG_20151124_195848

 

 

Ingredientes (2 refeições para 2 pessoas):

1/2 saco de cogumelos shitake secos

1 caixa de cogumelos marron

4 dentes de alho

Oregãos secos

Manjericão seco

2 folhas de louro

Alecrim

Pimenta

1 copo e 1/2 de arroz arboreo

1/2 copo de vinho branco

1 colher de sopa de manteiga

30 g de queijo mozzarella sem lactose

Sal a gosto

 

Para a salada:

Espinafres baby

1 endívia

1 mão cheia de rebentos de feijão mungo (crus)

Azeite, limão e sal

(opcional) 1 colher de chá de tahini

 

Bom proveito, e boas receitas!

 

 

Hambúrgeres do Mar com Caril e Mostarda e trio de Legumes no Forno

Esta receita foi inspirada por um ingrediente que encontrei no supermercado Brio um destes dias. Estava a dar a voltinha do costume, a comprar tostas de castanha ou outro snack para picar ao lanche, e vi umas pastinagas a sorrir para mim. A pastinaga ou cherovia é uma raiz parecida com a cenoura, mas branca e com um sabor mais intenso, segundo a Wikipédia. Não sei bem definir o seu sabor, mas é adocicada, com uma textura muito parecida com a cenoura.

 

Inicialmente pensei em fazer um gratinado de batata, pastinaga e cenoura com leite de côco e caril, mas entretanto, vi no pinterest uma receita de batata que achei interessante, e partí daí. Decidi fazer algo semelhante, com o trio de legumes, e incorporar o caril numa espécie de "fish-cakes", com um pequeno twist. Temos sempre vários tipos de peixe no congelador, incluindo salmão, atum, douradas inteiras para assar, etc. E no meio disto tudo, tinhamos um filete de peixe galo e algumas tiras de pota congeladas.

 

E assim foi. Cheguei a casa, e começei por laminar os 3 legumes (8 ou 10 batatas médias, 1 cenoura grande e 2 pastinagas médias) e colocá-las num pirex com um fio de azeite. Demorei cerca de 5 minutos a preparar os legumes e laminar, e outros 5 ou 10 a dispo-los da forma que vi na receita original. No fundo, foi apenas uma questão estética. Se quiserem podem simplesmente espalhá-los pelo pirex, e poupam os 10 minutos que demorei nesse passo. Depois temperei tudo com alho picada, mais um fio de azeite, oregãos secos, tomilho seco e um pouco de pimenta branca e sal.

 

Enquanto o forno aquecia, começei a preparar os hamburgers. Coloquei no processador o filete de peixe galo, e as tiras de pota, que tinham estado uns 5 minutos numa bacia com água quente para descongelarem um pouco. Sequei-os ligeiramente antes de os colocar na máquina. Depois acrescentei 3 dentes de alho grandes, uma mão de salsa fresca, 1 colher de chá de caril, acafrão e de sementes de mostrada, 1/2 colher de chá cada. E acrescentei 1 colher de chá de fécula de batata para ligar tudo. Temperei com sal, e formei 4 hamburgers.

 

Os legumes foram para o forno durante 20 minutos a 180º, cobertos com papel de prata e mais 25 sem o papel, a 200º. E enquanto cozinhavam, fritámos os hamburgers, numa frigideira bem quente com um pouco de óleo de sésamo.

 

Tenho a dizer que os hamburgers foram um sucesso!!! Eu e o P adorámos, e ainda dei a provar a uma colega de trabalho que também gostou muito. Têm um sabor forte, por causa das especiarias e do sal, caso prefiram um sabor mais suave, podem colocar um pouco menos de caril e de mostarda, ou cortar no sal. Para mim, estavam no ponto. Os legumes também ficaram espectaculares. Estaladiços, e saborosos, com aquele toque do tomilho que combina tão bem com batatas assadas.

 

Uma receita a repetir :)

 

IMG_20151118_002927.jpg

 

 

 

IMG_20151118_002409

 

 

IMG_20151118_002004

 

 

Ingredientes (2 refeições para 2):

 

Hamburgers do Mar:

400g de tiras de pota

1 filete grande de peixe galo (ou outro peixe)

3 dentes de alho grandes

1 mão de salsa fresca

1 colher de chá de caril,

1/2 colher de chá de acafrão

1/2 colher de chá de sementes de mostrada

1 colher de chá de fécula de batata

Sal a gosto

 

Trio de Legumes:

8 ou 10 batatas médias

1 cenoura grande

2 pastinagas médias

2 dentes de alho

Oregãos secos a gosto

Tomilho seco a gosto

Pimenta branca e sal q.b.

 

Boas receitas!

Crepes "Asiáticos" com Abacate e Manga

Antes de mais, se fizerem esta receita, não se esqueçam das sementes de sesámo. Eu esqueci-me e ainda estou a bater com a cabeça na parede. Teriam sido a cereja no topo do bolo. Desabafo feito... Esta "receita", se é que se pode chamar receita a isto, acabou de entrar para o meu top 10 de alternativas à tradicional salada. É maravilhosa, confiem em mim ;) E super rápida, e prática e nutritiva. Tem tudo a seu favor.

 

Começámos por partir uma cenoura pequena e meio pepino sem sementes em palitos. Depois partimos uma manga e meio abacate em fatias. Lavámos uma alface pequena, e... that's all folks. Utilizei folhas de arroz tradicionalmente usadas para os chamados crepes vietnamitas, mas como fizemos um molho com soja, achei por bem denominá-los crepes asiáticos. Hidratei 7 folhas (uma de cada vez) em água morna durante cerca de 20/ 30 segundos, recheei-as com os legumes e a fruta previamente cortados e coloquei-os nos pratos.

 

No final, reguei os crepes com um molho feito à base de azeite, vinagre de arroz, tamari (molho de soja sem glúten), limão e umas pedras de sal. A combinação entre o abacate maduro, o doce da manga e o crocante dos legumes ficou maravilhoso, mas o molho por cima tornou a combinação explosiva. No bom sentido!! Apetecia comer mais e mais e mais. 

 

Os legumes e fruta que sobraram, transformámos numa saladinha para acompanhar. No fundo... mais do mesmo sem os crepes ;) Foi um óptimo jantar, leve e fresco, mas que nos encheu as medidas. No Verão havemos de repetir, sem dúvida, e até lá uma vez por outra, para matar os desejos.

 

 

IMG_20151113_202730

 

 

Ingredientes (1 jantar para 2):

7 folhas de arroz

1 cenoura

1 alface pequena

1/2 pepino

1/2 abacate maduro

1 manga madura

Vinagre de arroz (cerca de 1/5 da medida de azeite)

Tamari/ molho de soja(cerca de 1/5 da medida de azeite)

Azeite, e uma pitada de sal

Umas gotas de limão

 

Boas receitas!

Super Snack Food

 

 

 

 

 

Acabei de encontrar estes piquenos na farmácia. Não são baratos, custam mais de 8€ a caixa, mas pareceram-me uma boa alternativa para aqueles momentos em que me apetece mesmo comer algo doce, sem cometer um pecado ultra mortal. 

 

Também havia uma versão com arandos e bagas goji. Eu trouxe estes dois porque não costumo ter bagas incas e amoras brancas em casa, e não me arrependo nada. As bagas inca têm um travo amargo que contrasta muito bem com o chocolate. E as amoras brancas também são óptimas, costumava comprar uma versão sem chocolate no celeiro para ter no trabalho. É mais doce, mas igualmente bom.

 

IMG_20151113_173045

 

 

Fica a dica ;)

 

Papas de S. Martinho

Inspirada pela quadra festiva - se é que se pode considerar o S. Martinho uma quadra festiva - decidi fazer estas papas de aveia para o pequeno almoço.

 

Utilizei aveia de grossa integral que comprei no Lidl. Costumo comprar da aveia normal, mas comprei esta por engano. A única diferença é que demora um pouco mais a cozinhar, mas fica igualmente saborosa. E sendo integral, à partida deverá ser mais saudável. 

 

Num tacho, coloquei cerca de 4 colheres de sopa de aveia, 4 ameixas secas, e um pau de canela, partido ao meio para libertar mais sabor. Não utilizei qualquer tipo de adoçante nestas papas, as ameixas foram o suficiente. Acrescentei 1 colher de chá de erva doce, 4 chávenas de leite de arroz e côco (mas poderão utilizar outro tipo de leite vegetal), e deixei cozinhar cerca de 20 minutos.

 

Quando arrefeceu, juntei 1 colher de sopa de sementes de chia e outra de linhaça e coloquei no frigorífico. Como utilizei muito leite para a quantidade de aveia, a chia fez o seu papel e aborveu o líquido em excesso, o que ajudou a engrossar as papas.

 

De manhã, juntámos 1 maçã partida e cubos e deliciámo-nos com estas papas de "S. Martinho" :)

 

 

IMG_20151112_091447 b.jpg

 

 

IMG_20151112_091522.jpg

 

 

Ingredientes (1 pequeno almoço para 2):

4 colheres de sopa de aveia

4 chávenas (médias) de leite

1 pau de canela

1 colher de chá de erva doce

4 ameixas secas

1 maçã

 

Boas receitas!

Papas de Trigo Sarraceno

No início da semana cozi um tacho de trigo sarraceno com pouco sal para poder utilizar em receitas doces (pequenos almoços) e salgadas (nomeadamente a beringela recheada). Cozi o trigo tal e qual como a quinoa, com a diferença de que não o lavei antes. O sabor faz-me lembrar um cruzamento entre a aveia o feijão. É estranhamente agradável.

 

À noite, coloco 4 ou 5 colheres de sopa de trigo sarraceno num tupperware, e depois costumo juntar 1 colher de sopa de chia, e de linhaça, e mais algumas sementes/ frutos secos, 2 ou 3 colheres de sopa aveia quando tenho, e um leite vegetal ou sem lactose. Esta semana usei leite de aveia. Depois coloco no frigorífico durante a noite, e de manhã juntamos frutinha e comemos.

 

 

Quantidades para um pequeno almoço para duas pessoas:

 

Manga 

4 ou 5 colheres de sopa de trigo cozido

1 ou 23 colheres de sopa de aveia (era o que havia)

1 colher de sopa de chia

1 colher de sopa de linhaça

Cerca de 400 ml de leite de aveia

Uma dúzia de mirtilos desidratados

Sementes de abóbora ou de girassol (meia colher de sopa)

Canela q.b.

1 manga cortada em cubos

 

IMG_20151102_090638

 

 

Banana e Frutos Vermelhos

4 ou 5 colheres de sopa de trigo cozido

1 colher de sopa de chia

1 colher de sopa de linhaça

Cerca de 400 ml de leite de aveia

1/2 colher de sopa de sementes de cânhamo

1 colher de sopa de ácer

Uma mão cheia de frutos vermelhos

1 banana (metade para cada taça)

 

 

IMG_20151103_085435

 

 

Cacau e Maçã (deste não tenho foto)

4 ou 5 colheres de sopa de trigo cozido

1 colher de sopa de chia

1 colher de sopa de linhaça

Cerca de 400 ml de leite de aveia

1/2 colher de sopa de cacau puro em pó

Uma dúzia de passas

Sementes de sésamo (meia colher de sopa)

2 maçãs (1 para cada taça)

2 colheres de chá de mel (1 para cada taça)

 

 

Bom fim de semana e boas receitas!

 

Beringela recheada com Trigo Sarraceno e molho de Caril

Ontem deu-me a inspiração divina. No espaço de pouco mais de uma hora fiz o jantar, almoço de hoje e almoço para 5ª e 6ªf. Três pratos no espaço de 1h parece-me um bom negócio. Enquanto assava espargos para o jantar (o resto estava praticamente feito), começei por dar um golpe dum lado ao outro duma beringela que tinha comprado, e colocá-la no microondas durante 5 minutos para amolecer. Cortei meia curgete média em cubos e reservei metade (ou seja 1/4) para a outra receita. 

 

Assim que a beringela estava pronta, abri, retirei o interior que cortei em pedaços pequenos e juntei à curgete, que coloquei a saltear numa fridigeira com um fio de azeite e 2 dentes de alho picados. Acrescentei 4 colheres de sopa cheias de trigo sarraceno que estava previamente cozido e que temos estado a comer ao pequeno almoço. Voltarei a esse tema num post posterior ;) Depois temperei tudo com caril, acafrão, sal, pimenta e assim que a curgete amoleceu um pouco, acrescentei 2 colheres de chá de queijo creme sem lactose. Envolvi tudo, recheei a beringela, e coloquei-a no forno durante 15 mins a 180º. 

 

A seguir, coloquei no forno uma batata doce para cortada em rodelas, dentro duma espécie de "papelote" de papel de prata, durante cerca de meia hora. Costumo assar a batata doce inteira. Fica muito mais saborosa e não necessita de acrescentar qualquer tipo de gordura. Esta solução acabou por ser mais rápida, e com o "papelote" também cortei na gordura e consegui preservar a maioria do sabor.

 

O escalonamento do forno foi uma obra de arte por si só. Começámos com os espargos a ocupar metade do tabuleiro, e um pirex com cogumelos e molho de tomate e vegetais a ocupar a outra metade (amanhã público a receita ;)).  15 mins para os espargos, que saem e entra a beringela durante mais 15 mins. Entretanto os cogumelos borbulhavam alegremente. Sai a beringela entra a batata doce durante 30 mins. Entretanto saem os cogumelos, junto a massa, envolvo bem e coloco linhaça por cima e volta para o forno para tostar mais 15 mins. 15 mins depois o forno estava desligado. Ou seja, se quisermos ser rigorosos, os 3 pratos demoraram um total de 1h no forno, mais 2 ou 3 minutos para preparar os espargos. Tudo o resto foi feito no meio deste processo, e ainda jantámos entretanto. Fiquei muito orgulhosa no nosso tempo record ;) 

 

Resultado final: a beringela com batata doce ficou uma maravilha. Têm mesmo de experimentar!! E se fizerem apenas esse prato, conseguem assar a batata enquanto preparam a beringela, e depois colocá-las em ameno convívio no forno, e em meia hora têm o pitéu pronto :)

 

 

IMG_20151103_224307

 

 

Ingredientes (para 2):

1 beringela

4 colheres de trigo sarraceno cozido

1/4 de curgete média ou 1/2 pequena

2 colheres de chá de queijo creme sem lactose

Caril e acafrão

Sal e azeite

2 dentes de alho

 

 

Boas receitas!!

Crepes de Maçã sem Glúten

E como não há jantarada sem sobremesa, por mais saudável que seja, na 6ªf, antes de fazer a bolonhesa especial de corrida, preparei estes meninos. Tinha visto na internet uma receita de crepes de maçã com folha de arroz (gostava muito de me lembrar onde para poder citar a fonte, mas não sei onde foi), e decidi inventar partindo desse pressuposto.

 

Começei por descascar 3 maçãs Golden, e colocá-las num tacho, com um pouco de água, uma colher de sopa de vinho do Porto branco, uma mão bem cheia de passas, canela em pó, extrato de baunilha e 2 colheres de sopa  -generosas - de xarope de ácer. Deixei levantar fervura e depois baixei o lume e deixei cozinhar durante uns 8 ou 10 minutos para amolecer um pouco a maçã e infundir bem a calda.

 

Findo esse tempo, demolhei folhas de arroz daquelas que se utilizam para fazer crepes vietnamitas em água morna durante cerca de 10 ou 15 segundos, não mais, para evitar que as folhas quebrassem (geralmente recomendam demolhar 30 segundos). Recheei os crepes com o preparado, coloquei um pirex de ir ao forno que untei previamente com um pouco de manteiga, e reguei tudo no final com a calda da maçã. As folhas eram relativamente pequenas, e deu para 8 crepes. Se utilizarem das maiores deverá dar para 4 ou 5.

 

Por esta altura já tinha o forno bem quentinho, pronto para receber os crepes. Deixei assar cerca de 10 minutos a 180º, depois polvilhei com 1 colher de sopa de açúcar mascavado e voltei a colocar mais 10 minutos no forno para dourar um pouco.

 

Acredito que teria ficado divinal comuma bola de gelado, que não tinha... mas também não ouvi queixas ;) É uma sobremesa leve, que não sendo excessivamente calórica, é suficientemente doce para finalizar uma refeição em beleza. Se experimentarem fico à espera de feedback :) 

 

 

IMG_20151030_192221

 

 

 

Ingredientes:

3 maçãs

Canela em pó (1 ou 2 colheres de chá)

1 mão cheia de passas

1 colher de chá de extrato de Baunilha

2 colheres de sopa de xarope de ácer

1 colher de sopa de vinho do Porto branco

1 colher de sopa de açúcar mascavado

Manteiga para untar

8 folhas de arroz

Água

A minha Bolonhesa especial de corrida ;)

Toda a gente gosta de bolonhesa :) É um facto universal ;) Na 6ªf tive o meu irmão, cunhada e sobrinha a jantar lá em casa, e preparei-lhes a minha bolonhesa especial. Não sobrou nem um fio de massa para amostra. Até a pequenita repetiu ;) (piolha mais fofa da tia <3)

 

Tenho um truque muito simples. Começo por picar o alho (e a cebola, se quiserem), e frito-o um minuto num fio de azeite, antes de juntar a carne. Geralmente utilizo carne de bovino que peço para picar no talho. Fica muito mais saborosa, acreditem. Depois de refogar a carne uns minutos, junto os 2 ingredientes que na minha opinião fazem magia em qualquer molho de tomate: cerca de 5 ou 6 tomates secos, partidos em pedaços pequenos, e umas 8 ou 10 folhas de manjericão fresco, picadas. E para não estragar o suspense, anteriormente referi que fritava o alho em azeite, o que não é inteiramente verdade. Costumo usar um pouco do azeite que vem na lata do tomate seco (aprendi com o Jamie Oliver), que já vem aromatizado e que faz toda a diferença no sabor. Depois da dupla maravilha (tomate seco e manjericão), junto um pouco de vinho branco, que deixo borbulhar uns minutos para o alcool evaporar, uma lata de tomate pelado, que esmago com as mãos, polpa de tomate, sal, pimenta branca moída, oregãos e manjericão secos e uma curgete média ralada. Junto quase sempre um vegetal, de preferência um relativamente neutro como a curgete. Ajuda a suavizar o molho, torna-o mais rico em termos nutricionais, e faz com que a carne renda mais porque cria volume sem alterar muito o sabor. E para finalizar, junto um fio de vinagre balsâmico para cortar o ácido do tomate. Parece estranho, mas aprendi num programa de culinária, e a verdade é que resulta.

 

Depois é só deixar apurar, e corrigir sal e temperos se necessário. Enquanto a carne apurava, cozi a massa com um pouco de sal, até estar al dente, e no final escorri-a, deixando um pouco na água da cozedura. Juntei a carne, o molho, e cerca de meio pacote de queijo ralado sem lactose (geralmente nem utilizamos lá em casa, mas os convidados são fãs de queijo ;)), piquei mais algumas folhas de manjericão fresco para polvilhar por cima, e servi. 

 

Uma nota final. Eu utilizei esparguete normal, mas já fiz várias vezes com massa sem glúten e fica igualmente bom. Convém é ser comido na hora.

 

 

IMG_20151030_203955

 

 

Ingredientes (para 4 e meio, mas poderá alimentar 5 ou 6)

450g de carne de bovino picada

5 ou 6 tomates secos

1 lata de tomate pelado

Polpa de tomate (cerca de 200 ou 300 ml)

Vinho branco (200 ou 300 ml também)

1 curgete média

4 dentes de alho

Oregãos e manjericão seco

Manjericão fresco (cerca de 15 folhas)

Sal e pimenta a gosto

1 fio de vinagre balsâmico

1 pacote de esparguete

250 ou 300 g de queijo sem lactose

 

Boas receitas!